sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Conheça a história de criminosos que se safaram da Lei

Se você é leitor do blog já faz algum tempo, você sabe que muitas das pessoas que estão na cadeia são inocentes (cerca de 20.000 apenas nos E.U.A), o que significa que muitos assassinos, estupradores e criminosos em geral nunca foram pegos por seus crimes. Para se ter uma ideia a policia se tornou tão inútil que segundo novos dados a policia americana resolve apenas 60% dos crimes mais pesados, no Brasil é ainda pior, apenas no Rio de Janeiro 96% dos casos arquivados desde 2007 ainda estão abertos, ou seja os culpados nunca foram presos.
Por isso é seguro dizer que existem milhões de criminosos no mundo todo que nunca foram pegos, mas como a lista completa seria quase infinita vamos focar em alguns dos casos principais. Confira.

Issei Sagawa é um assassino canibal que em 1981, enquanto estava em Paris, matou e comeu a aluna holandesa Renée Hartevelt, de 25 anos. 
Após convidá-la para um jantar, o japonês atirou em sua nuca com uma carabina calibre .22, enquanto a mulher recitava um poema em alemão a seu pedido, após o ato ele manteve relações sexuais com o cadáver e se retirou do apartamento, após algumas horas retornou, esquartejou-a e comeu pedaços de sua carne. Pedaços da vítima foram encontrados em sua geladeira, cuidadosamente embrulhados. 
Sagawa não resistiu à prisão, que aconteceu quando ele estava andando com pedaços de sua vítima em duas malas, ele confessou o crime e ainda descreveu o sabor da carne de Renée Hartevelt como sendo semelhante ao gosto do atum. O motivo para o assassinato é que ele queria absorver a energia dela através do canibalismo. Ele também admitiu que durante a sua infância ele mantinha relações sexuais com seu cachorro.
O problema é que seu pai era muito rico e contratou um ótimo advogado, depois de 2 anos sem um julgamento, ele foi considerado insano e mandado para uma clinica psiquiatrica, mas era tudo mentira, depois de ser deportado para o Japão ele foi declarado são, e como seu crime foi em solo francês, ele nunca foi preso no Japão.
Depois do acontecimento ele passou a ganhar a vida com o interesse da mídia em seu crime, eles já fizeram documentários e filmes sobre seu crime, e hoje, aos 67 anos, ele está consideravelmente bem de vida, em entrevista ele disse que o fato de ganhar a vida assim é o seu castigo, mas ele não aparentou estar sentindo remorso pelo crime.

Dalva Lima da Silva é uma Serial Killer brasileira que matou mais de 30 cães e gatos, alguns tiveram seu sangue drenado e ela jogou seus corpos fora na própria calçada em sacos de lixo, Dalva deveria ter pego 12 anos de cadeia, mas teve sua prisão revogada porque segundo a Polícia Civil, o crime era de menor potencial ofensivo. Se ela fosse presa, esta seria a primeira vez na história do Brasil que uma pessoa iria para a cadeia por tortura e morte de animais. 
Mesmo sendo pega com diversas provas e até admitindo ter assassinado 5 dos animais, Dalva não foi presa e não será.


Em 24 de novembro de 1971 um avião Boeing 727 foi sequestrado quando ele já estava no ar, o sequestrador se identificou como Dan Cooper, testemunhas a bordo o descreveram como um homem na casa dos 40 anos, entre 1,78 m e 1,83 m de altura. Ele usava uma capa de chuva preta, um terno escuro, mocassins, uma camisa de colarinho branco, uma gravata preta e um alfinete de gravata de madrepérola.
O Voo 305 decolou no horário às 14h30min, Cooper passou um bilhete para a comissária de bordo mais perto dele em um assento preso à porta traseira. A comissária colocou o bilhete na bolsa sem olhá-lo achando que ele estava dando seu numero para ela como uma cantada. Cooper inclinou-se para ela e sussurrou, "Srta., é melhor você olhar aquele bilhete. Eu tenho uma bomba". Foi ai que o sequestro começou.
Cooper abriu a maleta o suficiente para que ela pudesse ver oito cilindros vermelhos que pareciam uma bomba e depois de fechar a maleta, ele exigiu duzentos mil em "moeda americana negociável", quatro paraquedas (dois primários e dois de reserva), e um caminhão de combustível esperando em Seattle para reabastecer a aeronave. A comissária transmitiu as instruções de Cooper para a cabine de comando; quando ela voltou, ele estava usando óculos escuros. 
A aeronave voou em círculos por aproximadamente duas horas para dar tempo a polícia de Seattle e o FBI reunir o dinheiro e os paraquedas de Cooper, além de mobilizar o pessoal de emergência.
Cooper pediu mais um uísque e água, pagou pela bebida (insistindo para a comissária ficar com o troco) e se ofereceu para pedir refeições a tripulação durante a parada em Seattle. O FBI finalmente reuniu seu dinheiro e quando o avião finalmente pousou ele libertou os reféns, pegou o dinheiro e os paraquedas e decolou novamente. Dois caças militares da Base Aérea McChord seguiram a aeronave, um acima e o outro abaixo, fora da visão de Cooper. Mesmo assim quando o avião pousou novamente Cooper já não estava a bordo, ele havia saltado de paraquedas sem que os militares vissem. 
Embora os agentes do FBI tivessem encontrado 66 impressões digitais, a gravata preta e o alfinete da gravata, tivessem várias descrições dadas pelos reféns e um retrato falado, eles nunca encontraram o culpado pelo sequestro que foi erroneamente chamado pela mídia de D.B Cooper (que era o nome de outro criminoso que  foi interrogado pela policia).
Descrito pelos reféns como calmo, inteligente, agradável e bondoso, Cooper ganhou o coração de muitos americanos, já que seu crime não foi violento e sua escapada foi surpreendente. Ele fugiu com o equivalente a US$ 1,107,000 atuais. A investigação do crime durou incríveis 45 anos, mas a policia e o FBI nunca encontraram nada, e fecharam o caso em julho de 2016. Cooper hoje deve estar com cerca de 80 anos e seu caso ainda é o único sequestro aéreo nunca resolvido da história americana.


A Cidade de Juárez no México foi o cenário de um dos crimes mais macabros já registrados, entre 1993 e 2005 mais de 370 mulheres foram assassinadas na cidade, mas o governo nunca fez nada sobre isso, como as mulheres eram parecidas e foram mortas de maneira similar (estupro e tortura), algumas pessoas acreditam que existe um Serial Killer insaciável vivendo na cidade. 
De todos os 300 assassinatos apenas 3 pessoas foram presas, mas a policia torturou os prisioneiros para que eles confessassem e até chegaram a matar outro prisioneiro. Até hoje ninguém foi realmente preso por todas essas mortes e a policia mexicana ficou conhecida internacionalmente como inútil, junto com a policia brasileira e haitiana.


Com certeza o assassino mais famoso de todos os tempo, o "pai" de todos os Serial Killers Jack, o Estripador ganhou sua fama por nunca ter sido pego pela policia, pessoas continuam investigando seu caso até hoje, 128 anos depois.
Tudo começou em 1888 em Londres quando prostitutas começaram a aparecer mortas, matar prostitutas era algo comum naquela época, mas essas tinham sido mortas de uma maneira mais brutal, até 1891 já eram 11 assassinatos, nem todos pareciam ter sido feitos pela mesma pessoas mas todos foram jogados para cima do "caso dos assassinatos de Whitechapel". O caso não foi levado muito a sério, até que uma carta foi mandada para a policia contento parte do rim de uma pessoa, o caso atraiu a atenção da mídia e outra carta foi mandada, mas ela pode ter sido falsa, mandada pelos próprios jornalistas para "esquentar" o caso. Mesmo assim a carta continha o nome Jack, o Estripador e o apelido pegou. Jack foi descrito por testemunhas como um homem branco, de aparência normal que usava um chapéu de caçador.
E foi aí que a coisa estourou de vez, todo mundo achava que sabia quem era Jack, foram mais de 100 denuncias e a policia até chegou a investigar a maioria delas mas não encontrou um culpado. Muitos desses "culpados" eram judeus que foram denunciados por puro racismo. A inutilidade da policia ajudou a dar ainda mais fama para o caso. Até mesmo pessoas que nunca poderiam ser Jack como o escritor de Alice no País das Maravilhas Lewis Carrol e o cirurgião da Rainha foram acusados de ser o assassino. A policia vez vários exames de DNA mas não encontrou nada.
Os casos esfriaram, prostitutas ainda estavam morrendo, mas não do jeito certo, do jeito que a policia realmente investigaria, e o interesse da policia londrina diminuiu, mas não o da mídia, várias teorias ainda foram feitas sobre quem seria o estripador, nos 100 anos seguintes ele foi personagem de livros, jogos, documentários e filmes, mas sua verdadeira identidade nunca será descoberta.
Jack, o Estripador é hoje uma lenda, sua história ainda é investigada e seu perfil psicológico ainda é usado em treinamentos da policia, mas o que realmente faz com que sua fama nunca se apague é o fato de que ele nunca foi e nunca será pego.

Se você curtiu a matéria curta também o nosso Facebook: Real World Fatos que serve para mostrar os principais links do site com as melhores matérias.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...