quarta-feira, 5 de dezembro de 2018

As 11 guerras mais idiotas e estranhas do mundo

Aqui no Real World Fatos você já viu diversas guerras que começaram por motivos idiotas e se transformaram em conflitos sérios, mas agora você vai ver guerras que podiam até ter um bom motivo pra começar, mas elas eram bizarras demais para se acreditar.
E quando você terminar de ler curta o nosso facebook.

Conheça a Guerra Anglo Zanzibar, enquanto outros países tinham a Guerra de Cem Anos ou até de Trezentos Anos, essa guerra em partícular durou incríveis 38 minutos, sendo então a guerra mais curta da história moderna.
A causa do conflito foi a morte do sultão pró-britânico Hamad bin Thuwaini em 25 de agosto de 1896 e a subsequente sucessão ao trono do sultão Khalid bin Barghash. As autoridades britânicas preferiam Hamud bin Muhammed, mais favorável a eles como governante, e devido a um tratado era eles quem iriam escolher o novo sultão, eles então mandaram Khalid deixar o trono, algo que ele não fez, as coisas escalaram e a guerra foi anunciada.
Os britânicos tinham reunidos três cruzadores, dois navios de guerra, 150 fuzileiros navais e marinheiros e 900 zanzibaris na área portuária. Do outro lado cerca de 2.800 zanzibaris defenderam o palácio; a maior parte recrutados da população civil, embora estivessem inclusas também a guarda do palácio do sultão e várias centenas de seus funcionários e escravos.
A guerra foi tão curta que dá até para falar o que aconteceu bem detalhadamente: um bombardeio, que foi iniciado às 9h 2min, ateou fogo no palácio e neutralizou a artilharia de defesa. Uma pequena ação naval britânica afundou um iate real zanzibari e dois barcos menores, e alguns tiros foram disparados ineficazmente contra as tropas zanzibaris pró-britânicas à medida que estes se aproximavam do confronto direto. A bandeira do palácio foi abatida e o fogo cessou às 9h 40min.
As forças do sultão totalizaram aproximadamente quinhentas baixas, enquanto apenas um marinheiro britânico foi ferido. Khalid recebeu asilo no consulado alemão antes de escapar para Tanganica. Os britânicos rapidamente colocaram Hamud no poder. A guerra marcou o fim de Zanzibar como um estado soberano e o início de um período de forte influência britânica.

Você já ouviu falar da Guerra dos Cem Anos certo? Agora vamos falar da Guerra dos 335 Anos, e o mais estranho é que ninguém morreu nela.
A origem da guerra está na Segunda Guerra Civil Inglesa que durou 9 anos. Basicamente depois disso, em 1651, os Países Baixos e as Ilhas Scilly (que são parte da Inglaterra) continuaram brigando porque as Ilhas não queriam pagar pelo estrago da guerra, uma nova guerra foi então declarada apenas contras as Ilhas, e não contra a Inglaterra inteira, até que que em junho do mesmo ano a Ilha se rendeu e os holandeses foram embora sem disparar um único tiro, era o fim da guerra... ou quase isso, o problema é que ninguém assinou um tratado de paz, eles apenas se esqueceram que ainda estavam em guerra.
Isso durou até o ano de 1986 quando Roy Duncan, historiador e presidente do Conselho das Ilhas Scilly, escreveu à embaixada holandesa em Londres para acabar com o mito de que as ilhas tinham entrado e ainda estavam em guerra com os Países Baixos. Imagina a surpresa dele quando a embaixada disse que aquilo não era um mito, e que tecnicamente falando eles ainda estavam em guerra 335 anos depois já que ninguém assinou um tratado de paz.
O embaixador holandês foi então convidado a visitar as ilhas onde um tratado oficial de paz foi finalmente assinado em 17 de abril de 1986. Ele se divertiu com toda a situação e até brincou que  deve ter sido angustiante para os cingaleses "saber que poderíamos ter atacado a qualquer momento".
Mesmo a guerra tendo sido declarada sem nenhuma autoridade oficial ela não só é considerada a guerra mais longa da história, mas também a que produziu menos danos.


A Austrália tem regras rígidas quando se trata do seu meio ambiente, mas nada comparado ao ano de 1932 quando o país foi a guerra...contra emus.
Conhecida como a Grande Guerra às Emus, essa batalha bizarra foi uma operação militar a fim de intervir numa preocupação pública em relação ao número de emus que estaria crescendo descontroladamente no distrito de Campion na Austrália Ocidental. 
O que aconteceu é que 20.000 emus migraram para o território de Campion depois da época de reprodução. As aves consumiram e destruíram as colheitas dos fazendeiros locais, além de deixar grandes aberturas nas cercas de onde coelhos puderam entrar e causar ainda mais danos.
O problema ficou tão ruim que fazendeiros pediram a intervenção do governo, que mandou soldados irem a guerra contra as aves que segundo eles eram "bons alvos para treinamento". 
Mas a parte mais bizarra é que os soldados estavam perdendo! As emus eram muito rápidas para eles, mesmos armados com metralhadoras eles estavam sendo humilhados por pássaros.
O ornitólogo Dominic Serventy até brincou ao comentar: "Os sonhos dos atiradores de metralhadora de atirar diretamente em massas serenas de Emus logo se dissiparam. O comando do Emu tinha evidentemente ordenado táticas de guerrilha, e seu exército pesado logo se dividiu em inúmeras unidades pequenas que faziam uso do equipamento militar não econômico." 
Uma força de campo desanimada, portanto, retirou-se da área de combate após cerca de um mês.
Depois das criticas da mídia ao fracasso dos soldados o governo desistiu da guerra, após a retirada do exército o Major Meredith comparou os emus aos guerreiros Zulus e comentou sobre a impressionante capacidade de manobra das aves, mesmo quando gravemente feridos, ele disse: 
"Se tivéssemos uma divisão militar com a capacidade de levar tiros dessas aves, enfrentariam qualquer exército no mundo... Elas podem enfrentar metralhadoras com a invulnerabilidade dos tanques. Elas são como Zulus, a quem nem mesmo as balas dum-dum podem parar".

Pois é, agora vamos falar da...Guerra as Emus! Isso porque depois do primeiro fracasso o governo australiano decidiu declarar guerra novamente as aves, devido ao fato de que elas estavam destruindo as fazendas novamente. A primeira operação foi melhor do que prevista e eles mataram 300 soldados de pena.
Mas isso não durou muito, as aves estavam morrendo aos milhares, mesmo assim elas pareciam não acabar, os fazendeiros continuavam pedindo a ajuda do governo, eles fizeram isso em 1934,  1943 e 1948, mas o governo não queria mais lutar, eles decidiram apenas recompensar aqueles que caçassem as aves com dinheiro vivo. 
Em dezembro de 1932, a notícia da Guerra dos Emus havia se espalhado, chegando ao Reino Unido. Alguns conservacionistas protestaram contra o abate como "extermínio do raro emu". Dominic Serventy, eminente ornitólogo australiano, descreveu a "guerra" como "uma tentativa de destruição em massa dos pássaros".
No fim  foram os fazendeiros que se renderam as aves, eles passaram a construir cercas de exclusão ao redor das fazendas para evitar as aves e outras pragas, no fim elas ganharam a guerra, porque até hoje os emus vivem na Austrália.

A Guerra Civil da Transnístria merece destaque pelo jeito como os seus soldados lutaram nela. Tudo começou logo após o colapso da União Soviética, a Moldávia era um país do antigo bloco soviético e quando ela se separou o país sofreu uma crise. Dois terços da nação queriam laços estreitos com a Romênia, enquanto o restante, um terço, queria estar mais próximo da Rússia. Uma guerra civil então eclodiu dividindo o país em dois exércitos.
Durante o dia os soldados se metralhavam sem piedade, e a noite... eles se divertiam juntos. Parece bizarro (e é) mas de noite os soldados deixavam a guerra de lado e brindavam, comiam e festejavam com o inimigo, no dia seguinte eles se matavam, e a  noite mais uma vez eles festejavam como velhos amigos.
"A guerra é como uma festa grotesca, durante o dia em que matamos nosso inimigo, durante a noite que bebemos com eles. Que coisa bizarra é a guerra". Disse um dos soldados.
A guerra durou toda a primavera e início do verão de 1992 até que um cessar-fogo foi declarado em 21 de julho de 1992, que se realizou e dura até hoje.

Você conhece Lijar? Provavelmente não, Lijar é uma pequena cidade espanhola, um dia em 1883 o Rei da Espanha Alfonso XII estava em Paris em uma visita de estado oficial. Aparentemente alguns dos parisienses locais não foram muito gentis com sua visita real, e o insultaram e até o atacaram na rua. 
O prefeito de Lijar ouviu falar desse ultraje a honra espanhola e a cidade declarou guerra à França, mas só a cidade, a Espanha não se envolveu, então eram 300 habitantes de Lijar contra a França inteira. 
A França, claro, não levou aquilo a sério, e por 93 anos Lijar "lutou" contra a França que os ignorava completamente. Isso durou até que o Rei Juan-Carlos da Espanha se atreveu a visitar a França. Desta vez, nada aconteceu e a visita prosseguiu pacificamente. Quatro anos depois, o povo de Lijar decidiu que seu rei havia sido bem tratado e dignificado, e eles imediatamente declarariam um cessar-fogo e terminariam as hostilidades com a França. No fim foram 98 anos de guerra onde ninguém se machucou e nenhum tiro foi disparado.

E se você acha que essa foi a única vez que uma parte da Espanha declarou guerra contra um país inteiro você está enganado. A Dinamarca ficou em guerra com Huéscar, município da Espanha por 172 anos. 
Napoleão estava declarando guerra a quase todo mundo no início do século XIX. A Dinamarca apoiou a França e o líder francês. Por outro lado, a Grã-Bretanha, Portugal e Espanha se aliaram para tentar derrotar Napoleão. No entanto, a aliança oficial espanhola estava com Napoleão, já que Carlos IV da Espanha havia assinado um tratado com a França em 1796 para apoiar um ao outro.
Houve uma revolta na Espanha em 1808 e Carlos IV foi abdicado. Os 13.000 soldados espanhóis que estavam lutando na Dinamarca estavam em uma situação difícil. Napoleão dividiu as tropas espanholas em pequenos grupos e obrigou-os a fazer o juramento de lealdade à França.
A Espanha não gostou nada disso e em 1809, Huéscar, o município espanhol declarou guerra à Dinamarca devido ao apoio dinamarquês do Império Francês. A guerra não foi muito longe, na verdade ela foi tão estranha que em pouco tempo os espanhóis se esqueceram completamente que estavam em guerra.
Em 1981, um historiador local em Huéscar descobriu a declaração oficial de guerra, acontece que como ninguém havia assinado nada os países tecnicamente ficaram em guerra por 172 anos, mesmo ninguém se lembrando disso. 
Em 11 de novembro de 1981, o prefeito da cidade de Huéscar e o embaixador da Dinamarca assinaram um tratado de paz para acabar com a guerra de 172 anos sem sangue, onde nem um único tiro foi disparado.

Em 1861, os Estados Unidos tinham um total de 34 estados e 7 deles, a maioria dos estados do sul onde a escravidão ainda era parcialmente legal, declarou sua secessão da União, e formaram os Estados Confederados da América e buscaram a independência da Confederação. 
A Confederação queria expandir a escravidão enquanto a União a restringia. A guerra civil começou e após 4 anos de sangrento conflito e morte de mais de 600.000 soldados da União e da Confederação, a Confederação perdeu e a escravidão foi abolida no país inteiro.
O problema é que a pequena cidade de Line em Nova York era aliada da Confederação, e quando a guerra acabou eles continuaram sendo aliados do lado perdedor, ou seja a cidade não-oficialmente permaneceu separada dos Estados Unidos, em uma guerra bizarra contra o país inteiro. 
A pequena cidade de Nova York tornou-se bastante impopular quando os eventos de 1861 foram descobertos pelos repórteres. Após a Segunda Guerra Mundial, a questão foi reavivada pelos repórteres, tornando a cidade a mais impopular do país em meio ao forte nacionalismo americano. 
Em 1945, cartas e mais cartas foram enviadas para a cidade de Line, incluindo uma do presidente Truman. Em janeiro de 1946, a cidade finalmente votou 90 a 23 para "voltar" à União e acabar com sua "guerra" contra os E.U.A. Até o famoso ator americano Cesar Romero estava presente para contar as cédulas da eleição.
Mesmo assim o episódio marcou a pequena cidade de 300 habitantes, tanto que até hoje a Insígnia Confederada ainda faz parte dos uniformes dos bombeiros em Line e a cidade ainda se considera "a última da Confederação".

A guerra sino-indiana, também conhecida como conflito fronteiriço sino-indiano, foi uma guerra entre a República Popular da China e a Índia. A causa inicial do conflito foi uma região no Himalaia, em Arunachal Pradesh, conhecida na China como Tibete do Sul.
O problema é que eles estavam lutando no Himalaia, que tem os terrenos mais altos do mundo, a guerra foi travada a uma altura de de 4.267 m, o que apresentava problemas logísticos para ambos os lados, mesmo assim eles continuavam lutando. O lugar era tão alto que eles nem podiam usar sua força aérea, para piorar durante todo o confronto China e Índia mantiveram sua relação intacta, como eles nunca declararam guerra oficialmente o governo dos países mantinham relações diplomáticas. 
No fim, sem conseguir mais lutar a China derrotou a Índia, só que para piorar as coisas outros países viram a China como o lado errado da Guerra, o que machucou seu status internacional, e os E.U.A ainda prometeu ajudar a Índia a modernizar o seu poderia militar, no fim os perdedores se saíram melhor do que os ganhadores.

No auge da Segunda Guerra Mundial, mais precisamente em 1941, os E.U.A estavam em guerra contra a Itália, Japão e a Alemanha Nazista, para piorar a Romênia, Hungria e a Bulgária decidiram declarar sua própria guerra aos E.U.A, mas o presidente americano ignorou eles, eles então reiteraram que eles estavam em guerra, mais uma vez eles foram jogados pra escanteio, afinal os E.U.A tinham uma guerra de verdade para enfrentar.
Esses três países nem ao menos tinham submarinos para lutar, por seis meses o presidente americano Roosevelt tentou fazer os países desistirem dessa declaração ridícula, mas eles insistiam em dizer que estavam em guerra, finalmente os E.U.A aceitou sua declaração e entrou nessa guerra ridícula, apenas para os outros países não fazerem nada.
No fim a guerra não matou ninguém, os países nem chegaram a se encontrar.

A Guerra de Aroostook foi um confronto militar entre os Estados Unidos e a Grã-Bretanha sobre a fronteira do Maine. Após a Guerra de 1812, as forças britânicas ocuparam a maior parte do leste do Maine e, apesar de não terem tropas na área, ainda a consideravam território britânico. 
No inverno de 1838, lenhadores americanos cortaram lenha na área disputada e, como resultado, incitaram a ira da Grã-Bretanha que deslocou tropas para a área. As tropas americanas também se moveram e parecia que uma guerra era iminente. 
No entanto a logística de cada lado foi confusa e os americanos receberam quantidades enormes de carne de porco e feijão devido a um erro no departamento de suprimentos. Isso levou ao apelido mais popular da guerra, "A Guerra do Porco e Feijão". Por quase um ano, as tropas britânicas e americanas esperaram o ataque um da outro, mas os ataques nunca vinham, até que seus respectivos governos finalmente chegaram a um acordo. A
Grã-Bretanha concordou em devolver à América o leste do Maine e, em troca, as tropas americanas recuaram. A guerra de Aroostook foi desprovida de qualquer tipo de combate militar, mas nos 11 meses de guerra cerca de 550 soldados morreram de doenças e acidentes.

Espero que tenha gostado dessa matéria, agora venha curtir nosso facebook Real World Fatos.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...